Notícias › 27/04/2017

O latim ainda importa para a Igreja Católica? Aqui a resposta

Parece que o latim, cuja existência remonta a várias centenas de anos antes de Cristo, é um objeto de estudo pouco provável para novas investigações, mas a Igreja respondeu abrindo um concurso onde  o requisito é o uso desta língua.

A Santa Sé indicou que neste ano o seu concurso de temática humanista, o Prêmio das Pontifícias Academias, será todo sobre o latim. O ganhador será escolhido pelo Papa Francisco e receberá mais de 21.400 dólares.

Por que a Igreja Católica se importa tanto em promover o latim? Por várias razões.

“No Vaticano, os documentos mais importantes emitidos pelo Papa e pela Santa Sé são escritos oficialmente em latim”, disse o secretário da Pontifícia Academia para o Latim, Pe. Roberto Spataro, em conversa com a CNA – agência em inglês do Grupo ACI.

A isto se acrescenta que a versão padrão da Bíblia, chamada a Vulgata, também está escrita em latim.

Além desta razão muito prática, disse o sacerdote, é através do latim que é possível estar em contato com o vasto patrimônio da Igreja ao longo dos séculos e “descobrir que esta mesma linguagem foi durante muito tempo o meio do diálogo entre fé e razão”.

O Prêmio 2017 das Pontifícias Academias é patrocinado pelo Pontifício Conselho para a Cultura e a Pontifícia Academia para o Latim, fundada pelo Papa Bento XVI em 2012 através do Motu proprio Latina Lingua.

Este Motu proprio assegura a importância do estudo e da preservação do latim, mas de modo único.

“O Papa Bento quis inspirar a Igreja universal para que não esqueça que o latim é a chave de um imenso tesouro de sabedoria e conhecimento”, disse Spataro.

Em 1962, João XXIII emitiu a Constituição Apostólica Veterum Sapientia, na qual “declarou solenemente” que o latim tem três características distintas que fazem desta antiga língua a “legítima língua para a Igreja Católica Romana”, disse Spataro.

Assim como a Igreja é por natureza “católica” ou “universal”, a língua latina também é internacional, não pertence a um país ou local; e como já não é uma língua viva, também é imutável.

Isto “torna-o perfeito para avaliações dogmáticas e litúrgicas, pois tal atividade intelectual requer uma linguagem lúcida que não causa ambiguidade na expressão. É bonito e elegante e a Igreja sempre é amante das artes e da cultura”, explicou o sacerdote.

Organizado anualmente pelo Pontifício Conselho para a Cultura, o Prêmio 2017 das Pontifícias Academias é construído em torno de dois temas: as propostas metodológicas para o ensino do latim contemporâneo e a recepção do latim cristão antigo entre as épocas medievais e modernas.

Por ACI Digital

Imprimir

Deixe o seu comentário





* campos obrigatórios.